Buscar posts, tags e membros
p-oliveira 6 de Julho de 2024 às 19h40 3 minutos de leitura

O Impacto da Origem dos Carros no Consumo de Combustível: Uma Análise do Conjunto de Dados Auto MPG do MIT

grayscale photo of concrete building
Foto de Steve Pancrate / Unsplash

Uma viagem divertida e informativa através do mundo dos carros e do consumo de combustível, mostrando como a origem dos veículos pode fazer toda a diferença.

Resumo Executivo

Neste relatório, analisamos o conjunto de dados 'Auto MPG' do MIT, que contém informações detalhadas sobre o consumo de combustível de diferentes carros. Através da análise, descobrimos uma forte relação entre a potência do motor e o consumo de combustível, com carros de maior potência tendendo a apresentar uma eficiência de combustível menor.

Além disso, destacamos que a maioria dos carros de alta potência é de origem americana, enquanto carros europeus e japoneses costumam ter menor potência e maior eficiência de combustível.

Informações Básicas

Análise dos Dados

Pontos Chaves

  • O conjunto de dados 'Auto MPG' do MIT contém informações sobre o consumo de combustível de vários carros, incluindo potência, cilindrada, peso e outras variáveis.

  • Criamos um gráfico para visualizar a relação entre a potência (horsepower) e o consumo de combustível (mpg).

  • O gráfico mostra claramente que carros com maior potência tendem a ter menor eficiência de combustível (menor MPG).

  • A maioria dos carros potentes tem origem nos EUA.
  • Carros europeus e japoneses costumam ter menor potência e maior eficiência de combustível.
  • Atualizamos o gráfico para incluir os nomes dos países na legenda, facilitando a identificação da origem dos carros.
  • Substituímos os identificadores numéricos do país pelo nome (EUA, Europa, Japão) no conjunto de dados.
  • Atualizamos o gráfico para refletir a mudança no conjunto de dados, mostrando os nomes dos países na legenda.

Metodologia

Coleta de Dados

Processamento de Dados

  • Os dados foram carregados e processados usando a linguagem de programação R.
  • Substituímos os identificadores numéricos do país pelo nome (EUA, Europa, Japão) usando o pacote dplyr do R.
  • Criamos os gráficos usando a biblioteca Vega-Lite.

Nota sobre Limitações

As informações aqui apresentadas devem ser verificadas e consideradas no contexto específico de cada análise. Inteligência artificial pode conter erros. As informações sobre o período de coleta dos dados e a frequência de atualização não estão disponíveis. Além disso, o conjunto de dados pode conter informações desatualizadas ou incompletas. É importante considerar essas limitações ao interpretar os resultados da análise.


O link foi copiado!